5 erros comuns dos ciclistas

Edu Capivara comendo pão e pedalando

Não exagere na comida, nem deixe de comer

Comer muito, comer pouco ou não comer nada

Um erro muito comum e que pode ter sérias consequências. Tontura, desmaio, apagão, fraqueza, são os sintomas mais comuns sofridos pelos ciclistas que saem para dar uma volta, fazer um treino ou até mesmo competir de estômago vazio.

Pedalando dessa forma cerca de 10% das calorias queimadas são provenientes de proteínas, incluindo perda de músculo. Fadiga e câimbras também podem ser companhias indesejáveis no seu rolê. O ideal é estar alimentado ou se alimentar a cada 2 horas no máximo. Porções menores e mais calóricas (proteínas e carboidratos) encontrados em barrinhas de cereais por exemplo ajudam muito. Sucos de frutas cítricas combatem as câimbras e tomar um café da manhã moderado antes de pedalar ajuda a vida do ciclista também, pode ser a dupla “Pingado e pão na chapa”.

Se você comer muito seu estômago fica pesado e o corpo preguiçoso, pois a maior parte da energia é usada para ajudar no processo de digestão e não dos seus músculos, e esse processo se inicia aproximadamente 30 minutos após o rega bofe.

Edu Capivara mandando ver na hidratação

Hidratar é bom, mas não precisa exagerar.

Esquecer de se hidratar

A hidratação é fundamental para nossa vida, principalmente com calor excessivo. As perdas de líquidos e minereis devem ser compensadas além daquele copo d’água que tomamos quando não estamos pedalando. Lembre-se sempre de abastecer a sua caramanhola, ou garrafinha com água gelada e coloca-la no suporte da bicicleta.

A perda de elementos químicos durante a transpiração afeta o desempenho do ciclista, e a desidratação acontece antes de sentirmos sede. A perda de peso nestas condições não é boa para sua saúde e se estiver muito calor não leve apenas água, beba um isotônico ou água de coco também.

Pedalar de chinelos, NUNCA

De chinelo você pode se machucar feio

Pedalar de chinelos ou sandálias

Diariamente noto muitos ciclistas indo pro trabalho pedalando suas bicicletas calçados com um par de chinelos. É uma delícia usar esse tipo de calçado, mas quando você está na praia, em casa, na piscina, e ainda serve pra fazer o “golzinho” no futebol de rua. Mas… montado na bicicleta, você de chinelo só pode ter problemas.

1) Seu pé pode escorregar do chinelo e escapar do pedal. O mínimo que pode acontecer nesse caso é você levar aquela pedalada dolorida na canela.
2) Escorregando o pé, seus dedos ou o tornozelo podem ir direto para a coroa e corrente e aí já dá pra imaginar o problema e a dor que isso causa.
3) Estando tão expostos assim, seus pés ficam vulneráveis a qualquer objeto na rua que possa bater neles. Você pode ralar o pé numa guia ou numa lombada, uma pedra ou pedaço de qualquer coisa arremessada por outro veículo pode te ferir gravemente.
4) Todas essas falhas podem acontecer quando o ciclista está pedalando de chinelos, e quando acontecem ele perde completamente a concentração e deixa de prestar atenção no que está acontecendo a sua volta, ou seja, fica mais vulnerável a um segundo e mais grave acidente, como um atropelamento por exemplo.

Aqui vai a dica então. Se você vai pro trabalho todo dia de bicicleta, use um tênis confortável como se fosse caminhar e após amarrar o cadarço, coloque o que sobrou do laço pra dentro do calçado, assim nunca vai enroscar enquanto pedala. Esta simples atitude protege seus pés e dão muito mais firmeza nas pedaladas.

Edu Capivara verificando a blocagem da roda traseira

Verifique se a blocagem está travada senão a roda pode cair. A lupa na foto foi só uma dramatização, não precisa de tanto.

Também é muito comum ver ciclistas pedalando por aí com as blocagens das rodas abertas, apenas rosqueadas como se fossem porcas. O desenho “curvo”, característico da alavanca da blocagem deve ficar virado para dentro do quadro ou do garfo, e fique de olho como deve ser feito o travamento. Rosqueando a porca que fica do lado oposto ao da blocagem até que a alavanca (que você estará segurando com a outra mão, sem rodar) começe a endurecer a mais ou menos 50% do seu curso de fechamento. Se ficar muito fácil quando você fizer a alavanca pra fechar a blocagem dê mais umas voltas na porca, se ficar muito difícil fechar a alavanca é porque rosqueou demais. Veja as posições errada e correta nas imagens abaixo.

Blocagem da roda está rosqueada mas não travada

Blocagem aberta. PERIGO

 

Blocagem da roda travada

Blocagem travada

 

Checagem simples na bike em pontos básicos de segurança e conforto

Faça uma checagem geral na bicicleta antes de sair, principalmente se você não anda nela todos os dias. Não demora um minuto e você vai sair pra pedalar sem medo de acidentes por causa de coisas bobas.

1) Verifique se as rodas estão bem presas e as blocagens fechadas.
2) Veja se o selim (banco) está na altura correta, preso e bem centralizado com relação ao quadro, além de não estar “empinado”, com a ponta apontando pra lua.

thumb_edu capivara verificando alinhamento do selim

Alinhamento do selim com o quadro

3) É importante verificar também se os pneus apresentam algum tipo de desgastes como rachaduras por ressecamento ou se a calibragem está adequada.
4) Observe também se a posição dos comandos de mão, que são as manetes de freio e alavancas de mudança de marchas estão em posição ergonômica, nem muito viradas pra cima ou nem muito pra baixo, ou seja, bem confortáveis para o uso, e se estão bem fixas, para que não girem ou se desloquem durante o uso. Veja nas imagens abaixo que na posição errada o pulso fica muito dobrado, o mesmo aconteceria se a manete estivesse virada para baixo.

Manete de freio muito pra cima.

Com a manete nesta posição o pulso fica muito dobrado. Perigo de fratura em caso de acidente.

Manete de freio na posição correta

Manete na posição correta. Veja como o pulso fica alinhado ao braço.

Prestando atenção nesses detalhes, seu passeio ou treino serão bem aproveitados, e seu exercício físico trará ótimos resultados a curto prazo. Pedale bem equipado, com tênis, luvas e capacete.

Boas pedaladas!

<a href="https://pedaleria.com/autor/educapivara/" target="_self">Edu Capivara</a>

Edu Capivara

Edu Capivara é Delegado Internacional do Biketrial no Brasil desde 1991 e introdutor do esporte em meados da década de 80. É amigo pessoal de Pedro Pi, o inventor do Biketrial e de toda a cúpula da BIU (Biketrial International Union) . Profundo conhecedor do mundo da bike, começou suas aventuras em modalidades como o BMX e o Mountain Bike no início desses esportes no Brasil. Já participou de campeonatos mundiais de biketrial pelo mundo todo, inclusive do primeiro, em 1986 na Europa.

Veja mais

Porta objetos para bike

Porta objetos para bike

Existem vários tipos de bolsas para quadro, mas também dá pra fazer modelos personalizados Quando repaginamos a Monark Barra Circular,  eu fiz um porta objetos redondo porque combina com o desenho da bike, agora eu quero propor outros modelos, para quadros...

Repaginamos a Monark Barra Circular

A Barra Circular é uma bike clássica, pau pra toda obra mas que merece um upgrade para virar bike conceito No passado, as bicicletas eram modelos únicos, tinha a masculina e a feminina, e eram usadas para tudo, serviam para o transporte, lazer e competição. Com o...

Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Cadastre-se em nossa Newsletter