Amortecedor de bicicleta

amortecedor de bicicleta - modelos
Para bicicletas de passeio ou de montanha, a suspensão é uma coisa que todo mundo conhece a muito tempo.

Tabela amortecedor de bicicletaDo modelo de entrada (simples) ao profissional, as suspensões possuem muita sofisticação e tecnologia aplicada, alcançada através de milhares de horas, testes e pesquisas. Amortecedor de bicicleta não é assunto novo, é assunto constante, pois a cada ano elas estão mais leves, com mais regulagens e até com inteligência própria, detectando irregularidades no terreno e adaptando seu funcionamento a isso. As opções são tantas e existem tantos detalhes em cada modelo que daria um livro ou até um programa de TV.

As primeiras suspensões para bicicletas surgiram no final da década de 60, eram bicicletas de aro 20″, primeiro com suspensão dianteira, logo após com duas suspensões, mas modelos de passeio e clássicas dos anos 50 já apresentavam alguns tipos de suspensões rudimentares, baseadas nas suspensões de motocicletas da época (torres duplas e paralelas, com uma mola na parte superior).

O amortecedo de bicicleta como conhecemos hoje surgiu no final da década de 80, no início das provas de Mountain Bike, melhorou muito mas ainda conserva os mesmos princípios. Desenhos mais extravagantes vém e vão com o tempo, mas acabam abandonados pela complexidade da manutenção.

Existem também modelos tão baratos que além de pesados demais, não oferecem nenhum controle do amortecimento, são do tipo “encolhe e estica” transferindo para o ciclista as irregularidades do terreno e pior, o coice da mola (que joga a frente da bike pra cima, com tudo).

Neste post a Pedaleria escolheu três modelos da mesma marca, onde podemos comparar a aplicação, recursos e benefícios de cada tipo.

amortecedor de bicicleta - modelo basicoBÁSICA – Passeio, trilhas e recreação

O amortecedor de bicicleta que podemos chamar de básico, tem 100 mm de curso e aceita freios V brake ou disco. Esse modelo é feito com materiais mais simples, portanto mais pesados, como as hastes (tubos de aço e cromadas) onde correm as “canelas”, parte de baixo onde é presa a roda. Mesmo sendo básica, possui cartucho hidráulico e controle de travamento no crown (base de onde saem as pernas da suspensão, parecido com um “T” invertido). O travamento da suspensão fecha a passagem de óleo, bloqueando seu funcionamento, e é útil em subidas quando pedalamos em pé, isso evita a perda da força cinética pelos repetidos encolhimentos do amortecedor.

Esse modelo funciona com uma mola helicoidal de aço em um lado e o cartucho hidráulico do outro. É possível dar uma pré carga na mola, girando um pequeno disco localizado sobre o crown, no caso da foto ao lado, o disco preto, não o azul. Esse recurso é usado para ajustar a tensão da mola, adaptando a suspensão para usuários de pesos diferentes, conseguindo assim um maior conforto. A linha básica está disponível em 4 modelos para bicicletas com aros de 26 e 29 polegadas, todas com caixa de direção 1-1/8 (oversize), convencional.

amortecedor de bicicleta - modelo intermediarioINTERMEDIÁRIA – Aventura e competição

Utilizando materiais nobres e contando com diversos ajustes, esta suspensão de Cross Country com 100 mm de curso é leve e muito funcional. É um amortecedor de bicicleta mais arrojado, as hastes são de alumínio, e não utilizam mola de aço, no lugar dela vão cartuchos hidráulicos com câmaras por onde circulam óleos com diferentes viscosidades. É possível ajustar a velocidade do mergulho (encolhimento) e também a do retorno (estiramento). Para calibrar utilizamos a válvula sob a tampa do lado esquerda do crown, e seguindo a tabela do manual do proprietário, ajustamos a calibragem de acordo com o peso do ciclista. Muitas delas já vem com a bomba de calibragem.
O ajuste da velocidade de retorno (quando a suspensão volta a se esticar) é feito no final da canela direita, próximo a gancharia da roda, onde podemos girar uma pequena peça seguindo as indicações (+) ou (-).

Neste modelo, o travamento do sistema hidráulico é feito remotamente, pois um botão é instalado próximo aos comandos de mão no guidão, permitido ao usuário travar ou liberar o funcionamento sem tirar as mãos das manoplas. Isso é muito interessante, por exemplo, se você está em uma trilha e chegou aquele trecho com um subidão, não precisa se abaixar para travar o amortecedor da bicicleta, basta acionar o botão no guidão. Disponíveis para bicicletas com aros de 26 e 29 polegadas com freios a disco e caixas de direção 1 1/8 (oversize) e 1-1/8 X 1.5″  (Tapered), esta última é de um tipo cônico, ou seja, a parte da suspensão que vai no quadro tem a base mais larga do que a ponta.

amortecedor de bicicleta - modelo sofisticadoSOFISTICADA – Competição e uso profissional

A suspensão profissional é super leve e ajustável, sendo possível modificar inclusive sua altura (curso) entre 80 e 120 mm, as regulagens são tão precisas que resultam em total controle da bicicleta, independente do tipo de piso. Nesse modelo, materiais como titânio e fibra de carbono são utilizados com frequência. As canelas são fabricadas com ligas compostas e as hastes recebem anodização dura, minimizando o desgaste pelo atrito. Espiga cônica e eixos mais grossos também estão disponíveis nesses modelos, que equipam bicicletas top de linha com aros de 26 e 29 polegadas.

Com uma única calibragem é possível abastecer as duas câmaras (positiva e negativa) ao mesmo tempo, isso facilita a vida do ciclista. O sistema é preciso e inteligente, migrando óleo entre as câmaras e fazendo constantemente a leitura do terreno, eliminando impactos e vibrações que poderiam ser facilmente sentidas pelos braços do ciclista. O modelo ao lado pode equipar bicicletas com aros de 26 e 29 polegadas apenas com freio a disco, para caixas de direção 1-1/8 X 1.5′  (Tapered).

Não esqueça, todo amortecedor de bicicleta requer manutenção periódica, consulte o manual ou site do fabricante para saber com quantas horas de uso a manutenção deve ser feita.

Agora sim, você está pronto pra pedalar sem tremedeira.

<a href="https://pedaleria.com/autor/educapivara/" target="_self">Edu Capivara</a>

Edu Capivara

Edu Capivara é Delegado Internacional do Biketrial no Brasil desde 1991 e introdutor do esporte em meados da década de 80. É amigo pessoal de Pedro Pi, o inventor do Biketrial e de toda a cúpula da BIU (Biketrial International Union) . Profundo conhecedor do mundo da bike, começou suas aventuras em modalidades como o BMX e o Mountain Bike no início desses esportes no Brasil. Já participou de campeonatos mundiais de biketrial pelo mundo todo, inclusive do primeiro, em 1986 na Europa.

Veja mais

Crescendo no ciclismo com saúde

Crescendo no ciclismo com saúde

Muitos ciclistas querem criar uma rotina de treinos visando participar de competições, mas fazer isso sem orientação acaba levado esse ciclista a outro tipo de rotina, vários dias se recuperando das lesões causadas pelos excessos. Seja um ciclista amador, ocasional,...

Porta objetos para bike

Porta objetos para bike

Existem vários tipos de bolsas para quadro, mas também dá pra fazer modelos personalizados Quando repaginamos a Monark Barra Circular,  eu fiz um porta objetos redondo porque combina com o desenho da bike, agora eu quero propor outros modelos, para quadros...

Repaginamos a Monark Barra Circular

A Barra Circular é uma bike clássica, pau pra toda obra mas que merece um upgrade para virar bike conceito No passado, as bicicletas eram modelos únicos, tinha a masculina e a feminina, e eram usadas para tudo, serviam para o transporte, lazer e competição. Com o...

Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Cadastre-se em nossa Newsletter