Componentes sem qualidade

Os acidentes envolvendo ciclistas acontecem por vários motivos, falta de experiência, imprudência, motoristas desatentos ou bêbados, defeitos na pavimentação, armadilhas nos deslocamentos urbanos como bueiros sem tampa e também por conta de componentes ou bicicletas de baixa qualidade, colocando vidas em risco e trazendo má fama ao setor.

A referência do que é caro ou barato para cada um está diretamente ligado a quanto se pode gastar para adquirir o bem, e não “quanto vale o bem”, fazendo muitos levarem gato por lebre. Se precisamos comprar um capacete por exemplo, a grande maioria procura preço e beleza, sem atentar para a proteção em si, onde itens como acabamento, conforto, resistência e garantia, ficam em segundo plano. É claro que valor é importante, e devemos ficar de olho para não estourar o orçamento, mas fazer economia com itens de segurança não é nada prudente. Quanto vale sua cabeça? A minha vale muito, então não vou comprar um capacete barato e ficar correndo risco por aí.

Componentes como câmbios, não entraram na lista do INMETRO para certificação este ano, e este da foto não passaria no quesito “resistência a corrosão”.

Componentes como câmbios, não entraram na lista do INMETRO para certificação este ano, e este da foto não passaria no quesito “resistência a corrosão”.

Bicicletas e componentes sem qualidade

Sendo consumidor final, lojista ou fabricante, importador, o argumento é o mesmo na hora de explicar as diferenças e vantagens de um produto frente ao outro, e nessa conversa se houve muito “Bicicleta é tudo igual. Porque esta é tão cara?”, e para explicar tamanha diferença somos obrigados a comparar um Fiat 147 a uma Ferrari, e os dois veículos tem 1 volante, 1 motor e 4 rodas!

A quebra de componentes de segurança oferecem alto risco aos ciclistas e estão na mira do INMETRO a partir de junho de 2014.

A quebra de componentes de segurança oferecem alto risco aos ciclistas e estão na mira do INMETRO a partir de junho de 2014.

O consumidor final precisa observar os produtos com mais critério e ser mais exigente, pensando no seu bem estar e segurança e não só no seu bolso, bicicletas e componentes baratos, feitos com materiais de segunda e sem respeitar as normas técnicas exigidas, além de perigosos criam um abismo entre o que é bom e com garantia, e o que é barato e informal, e é fácil encontrar bicicleta “básica” por 199 Reais no supermercado e por 1.999 Reais na loja especializada, esta última não oferece alcatra na promoção, laranja pêra e cerveja com desconto, oferece apenas produtos para esporte, lazer e locomoção com garantia e assistência técnica especializada, funcionários e mecânicos treinados e produtos de qualidade comprovada. Não sou contra a venda de bicicletas no supermercado, mas sim da especialização na venda, o que convenhamos, deixa a desejar no varejo.

Ao escolher seus componentes, verifique se eles oferecem riscos na eventualidade de defeito ou quebra de suas partes.

Ao escolher os componentes da sua bike, verifique se eles oferecem riscos à sua integridade física na eventualidade de defeito ou quebra de suas partes.

Normatização e Certificação

A fabricação de qualquer produto deve atender normas e certificações em seus países de origem, muitas delas válidas em outros países, como no caso dos carros e motos por aqui, mas para bicicletas e componentes não, fato que está causando grande transformação no mercado brasileiro, já atormentado pela alta tributação sobre os artigos relacionados a bicicleta, que coloca o Brasil em primeiro lugar no ranking dos mais altos impostos para bicicletas e componentes no mundo.

As novas Portarias (656 e 361 do INMETRO) que entram em vigor neste mês, certificam 13 componentes de bicicletas de uso adulto que deverão se adequar às novas exigência, são eles: aro, raio, câmara de ar, conjunto de freio, cordoalha (cabos de freio e de câmbio), garfo, garfo de suspensão, guidão, suporte de guidão, niple, pedal, pedivela e quadro.

Afiados e cortantes. Pedais em alumínio ou nylon devem resistir a impactos moderados, sem oferecer riscos aos usuários.

Afiados e cortantes. Pedais em alumínio ou nylon devem resistir a impactos moderados, sem oferecer riscos aos usuários.

Além de resistir a impactos, peças metálicas devem ser protegidas contra oxidação e ferrugem.

Além de resistir a impactos, peças metálicas devem ser protegidas contra oxidação e ferrugem.

A certificação é muito importante para melhorar a qualidade dos produtos no país, tirando de vez do mercado peças e bicicletas sem qualidade ou obrigando seus fabricantes a aprimorar seu portifólio de produtos, mas seu impacto será sentido pelo consumidor final, já que a certificação é cara e exige inúmeras alterações nos processos de fabricação e apresentação dos produtos aos consumidores. O mesmo processo certificou recentemente os pneus de bicicletas, e alguns modelos muito específicos para certas modalidades simplesmente desapareceram do mercado, pois as quantidades trazidas não justificam nem suportam mais gastos com os processos de certificação, e espera-se o mesmo fato com alguns outros componentes se a norma for mantida da maneira como está, encarecendo os produtos para o consumidor final sem propriamente garantir maior segurança e usabilidade aos usuários finais, uma vez que não exigirá a certificação da bicicleta como um todo.

Será necessário grande esforço e união de todos a favor da bicicleta e componentes, lutando pelo crescimento qualitativo do mercado com menos impostos e leis inteligentes. Estes são alguns dos incentivos públicos e privados que apoiamos aqui na Pedaleria.

Bom pedal!

<a href="https://pedaleria.com/autor/educapivara/" target="_self">Edu Capivara</a>

Edu Capivara

Edu Capivara é Delegado Internacional do Biketrial no Brasil desde 1991 e introdutor do esporte em meados da década de 80. É amigo pessoal de Pedro Pi, o inventor do Biketrial e de toda a cúpula da BIU (Biketrial International Union) . Profundo conhecedor do mundo da bike, começou suas aventuras em modalidades como o BMX e o Mountain Bike no início desses esportes no Brasil. Já participou de campeonatos mundiais de biketrial pelo mundo todo, inclusive do primeiro, em 1986 na Europa.

Veja mais

Crescendo no ciclismo com saúde

Crescendo no ciclismo com saúde

Muitos ciclistas querem criar uma rotina de treinos visando participar de competições, mas fazer isso sem orientação acaba levado esse ciclista a outro tipo de rotina, vários dias se recuperando das lesões causadas pelos excessos. Seja um ciclista amador, ocasional,...

Porta objetos para bike

Porta objetos para bike

Existem vários tipos de bolsas para quadro, mas também dá pra fazer modelos personalizados Quando repaginamos a Monark Barra Circular,  eu fiz um porta objetos redondo porque combina com o desenho da bike, agora eu quero propor outros modelos, para quadros...

Repaginamos a Monark Barra Circular

A Barra Circular é uma bike clássica, pau pra toda obra mas que merece um upgrade para virar bike conceito No passado, as bicicletas eram modelos únicos, tinha a masculina e a feminina, e eram usadas para tudo, serviam para o transporte, lazer e competição. Com o...

Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Cadastre-se em nossa Newsletter