Tipos de alavancas de câmbio

Alavancas de mudanças, tipos e modelos

As primeiras alavancas de mudança de marcha das bicicletas de corrida eram hastes metálicas de acionamento que atuavam diretamente em cada câmbio, não utilizavam cabos de aço nem conduites. Com o passar do tempo as alavancas passaram para o Down Tube (tubo de baixo do quadro), e já utilizavam cabos. As mudanças não eram indexadas, o ciclista tinha que “achar” o ponto certo entre as engrenagens, nem mais, nem menos, para não ficar fazendo barulho ou mudar de marcha sozinha nos momentos em que se aplica mais força, como o sprint. Nas mudanças indexadas, cada “click” representa um engate perfeito de marcha.

Alavanca de câmbio Thumbshifter

A alavanca Thumbshifter não indexada ainda é encontrada em bicicletas simples, de 6 ou 7 marchas, seu uso requer treino e paciência.

Alavancas de câmbio tipo fricção

As alavancas de “fricção” eram instaladas no tubo de baixo do quadro, ou no avanço do guidão, sendo ocasionalmente golpedas pelos joelhos.

Com o nascimento do MTB, houve a necessidade de colocar as alavancas mais próximas dos comandos de mão no guidão, e com uma ligeira modificação nas alavancas de mudança das bicicletas de estrada (speed), foi criado o Thumbshifter, alavancas sobre o guidão, acionadas com os polegares ou indicador e polegar, dependendo da marcha escolhida. Ao longo do tempo esse tipo de alavanca mostrou-se perigosa para o ciclista de competição, ou ciclista mais arrojado no fora de estrada, pois exigia que o mesmo tirasse a mão da manopla para fazer as mudanças. Esse tipo de alavanca ainda é encontrada e muito utilizada em bicicletas de passeio, onde o risco é menor, mas ainda assim existe.

Alavanca de câmbio Thumbshifter com braçadeiras

Thumbshifter para fixação no tubo inferior do quadro de bicicleta de estrada, utilizando braçadeira.

Com tantas mudanças e lançamentos de novos produtos de um ano para o outro, uma grande quantidade de tipos e modelos de alavancas de câmbio invadiu o mercado mundial a partir da década de 90. Entre propostas sérias e outras muito bizarras, alguns modelos vieram para ficar, e participam ativamente deste mercado a mais de duas décadas.

A japonesa Shimano apresentou seu primeiro Rapid Fire para Mountain Bikes no final de 1989, e em 1990 a modernidade das alavancas indexadas no guidão chegou as bicicletas de estrada com o sistema STI – Shimano Total Integration, nome dado a série de alavancas de mudança integradas as alavancas de freios. Esse sistema de manetes de controle duplo, permite o uso das alavancas de freio no sentido longitudinal, e empurrando no sentido lateral, acontecem as mudanças de marchas.

Com ligeiras diferenças por grupo e modelo, é possível fazer as mudanças acionando pequenas alavancas anexadas às manetes de freio ou em pequenos botões no corpo da empunhadura (suporte das manetes onde se segura para cambiar).

Na mesma época a Italiana Campagnolo lança o sistema Ergopower, com funcionamento similar ao STI.

Alavancas indexadas

A novidade das alavancas indexadas junto aos comandos de freio surgiu no MTB e migrou para a bicicleta de estrada.

Apresentamos abaixo um pequeno resumo dos modelos de alavancas mais conhecidos e utilizados nas MTB e bicicletas de estrada.

Thumbshifter

Lançadas a princípio como alavancas simples, logo depois, ganharam indexação (um click representa uma mudança de marcha). Esse tipo de alavanca, também conhecida como alavanca de fricção, equipa atualmente bicicletas de passeio e modelos populares, com 5, 6 ou 7 velocidades. É necessário tirar as mãos das manoplas para fazer as mudanças, fato que as tornam perigosas quando se anda em piso irregular, podendo ocasionar quedas.

Thumbshifter em uso

Para fazer as mudanças, é preciso tirar a mão da manopla, usando o polegar ou polegar e indicador, tornando perigosa a operação, dependendo das irregularidades do piso.

Thumbshifter em uso

Alavancas giratórias

Conhecidas originalmente como Grip Shift (alavanca na manopla), que é marca registrada de um grande fabricante. Esse tipo de alavanca também chamado de punho giratório, é leve e confiável, equipando bikes de atletas de ponta pelo mundo todo. É fácil e seguro fazer as mudanças sem largar as manoplas e nem sequer abrir os dedos.

Alavanca giratória

Para fazer as trocas de marchas, gire parte da manopla como ou acelerador de moto.

Alavancas de câmbio giratórias

Entenda o funcionamento das alavancas giratórias para câmbios dianteiro e traseiro.

Rapid Fire

Provavelmente o sistema de alavancas mais conhecido da geração MTB, com 24 anos de bons resultados e muitos aperfeiçoamentos, foi um grande avanço no ciclismo fora de estrada, pois fez jus ao nome “fogo rápido”, trocas de marchas dinâmicas e seguras, sem soltar as manoplas. Recentemente recebeu mais um melhoramento, a “multi-liberação” permitindo efetuar trocas de marchas com o polegar e indicador, com um dedo em cada alavanca, ou fazer todas as trocas com o polegar.

Alavanca Rapidfire

No Rapid Fire as mudanças são feitas usando os dedos pelegar e indicador, sem a necessidade de soltar as mãos das manoplas.

O Rapid Fire modelo Instant Release pode ser usado com os dedos polegar e indicador, ou apenas o polegar, mantendo o indicador na menete de freio, melhorando a performance do ciclista.

O Rapid Fire modelo Instant Release pode ser usado com os dedos polegar e indicador, ou apenas o polegar, mantendo o indicador na menete de freio, melhorando a performance do ciclista.

Instant release

O Rapid Fire modelo Instant Release pode ser usado com os dedos polegar e indicador, ou apenas o polegar, mantendo o indicador na menete de freio, melhorando a performance do ciclista.

Alavanca Dual Control

O modelo Dual Control não teve boa aceitação no MTB e foi retirado da linha. Nele as mudanças eram feitas com o polegar e indicador, deslocando para baixo a manete de freio.

img-Rapidfire_Dual_Control_Passando_Marcha

Trigger Shifter

O Trigger é o “Rapid Fire” da marca Sram. Após certa dificuldade no início do projeto, o modelo se aperfeiçoou e é bem aceito no mundo das competições, utiliza botões de troca de marcha feitos em alumínio nos modelos mais sofisticados. Alguns modelos são reconhecidos pelo estalo característico no momento das trocas de marchas.

As alavancas Trigger da Sram fazem todas as mudanças usando apenas os dedos polegares.

As alavancas Trigger da Sram fazem todas as mudanças usando apenas os dedos polegares.

img_Trigger_Sram2

Conjunto trigger

Entenda a função de cada alavanca Trigger.

EZ Fire

O conjunto de alavancas EZ Fire é um tipo de Rapid Fire simples, muito comum em bicicletas de entrada (linha mais econômica de uma marca). Tem as mesmas funções das alavancas mais sofisticadas “passar as marchas”, mas não é leve e veloz como os modelos para competição.

Alavanca EZ Fire

As alavancas modelo EZ Fire possuem uma alavanca em cima e outra em baixo, para usar com os dedos polegar e indicador.

img-EZ_Fire_Reduzindo

Conjunto Alavancas EZ Fire

Nesta visão é possível identificar a função de cada alavanca EZ Fire.

Manetes de Controle Duplo 

Sistema indexado e troca de marchas para bicicletas de estrada, com alavancas de freio e mudança de marcha na mesma peça. Fácil de usar, permite controle total, pois não é necessário largar o guidão ou freios para fazer as trocas.

Existem modelos mais simples, com um botão de passagem na menete o outro mais acima, no corpo da empunhadura, e modelos mais sofisticados, para competição, com os dois passadores acoplados à manete de freio.

Alavancas que combinam freios e mudanças de marchas trazem mais segurança e praticidade tanto para competição quanto lazer.

Alavancas que combinam freios e mudanças de marchas trazem mais segurança e praticidade tanto para competição quanto lazer.

…e nesta alavanca, colocamos a corrente na coroa major, reduzindo a velocidade e o esforço.

…e nesta alavanca, colocamos a corrente na coroa major, reduzindo a velocidade e o esforço.

img-Alavancas_Controle_Duplo_Completo

Mudanças rápidas e bem a mão são as características deste sistema de mudança de marchas.

Mudanças rápidas e bem a mão são as características deste sistema de mudança de marchas.

No lado direito, reduza marchas empurrando a manete de freio para dentro. Para aumentar a velocidade, acione a pequena alavanca com o polegar.

No lado direito, reduza marchas empurrando a manete de freio para dentro. Para aumentar a velocidade, acione a pequena alavanca com o polegar.

As alavancas de Controle Duplo mais simples possuem botões de acionamento em diferentes locais.

As alavancas de Controle Duplo mais simples possuem botões de acionamento em diferentes locais.

No lançamento, todos os modelos de alavanca de câmbio indexadas agregaram mais peso as bicicletas, pois comparados as alavancas anteriores, estas possuem catracas, engrenagens e muitas peças pequenas em seu interior. Atualmente esses sistemas são leves e confiáveis, e representam um avanço tecnológico enorme, trazendo mais conforto e segurança ao pedalar, seja você um atleta profissional ou ciclista comum, que usa a bicicleta como transporte e lazer.

Bom Pedal!

 

 

 

 

 

 

 

 

<a href="https://pedaleria.com/autor/educapivara/" target="_self">Edu Capivara</a>

Edu Capivara

Edu Capivara é Delegado Internacional do Biketrial no Brasil desde 1991 e introdutor do esporte em meados da década de 80. É amigo pessoal de Pedro Pi, o inventor do Biketrial e de toda a cúpula da BIU (Biketrial International Union) . Profundo conhecedor do mundo da bike, começou suas aventuras em modalidades como o BMX e o Mountain Bike no início desses esportes no Brasil. Já participou de campeonatos mundiais de biketrial pelo mundo todo, inclusive do primeiro, em 1986 na Europa.

Veja mais

Crescendo no ciclismo com saúde

Crescendo no ciclismo com saúde

Muitos ciclistas querem criar uma rotina de treinos visando participar de competições, mas fazer isso sem orientação acaba levado esse ciclista a outro tipo de rotina, vários dias se recuperando das lesões causadas pelos excessos. Seja um ciclista amador, ocasional,...

Porta objetos para bike

Porta objetos para bike

Existem vários tipos de bolsas para quadro, mas também dá pra fazer modelos personalizados Quando repaginamos a Monark Barra Circular,  eu fiz um porta objetos redondo porque combina com o desenho da bike, agora eu quero propor outros modelos, para quadros...

Repaginamos a Monark Barra Circular

A Barra Circular é uma bike clássica, pau pra toda obra mas que merece um upgrade para virar bike conceito No passado, as bicicletas eram modelos únicos, tinha a masculina e a feminina, e eram usadas para tudo, serviam para o transporte, lazer e competição. Com o...

Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Cadastre-se em nossa Newsletter