Blocagem, conhece a história?

As blocagens de selim e rodas (quick release) são equipamentos que facilitam a vida do ciclista, pois é possível colocar e tirar as rodas e ajustar a altura do selim sem usar ferramentas.

A primeira blocagem foi criada por Tulio Campagnolo em 1927. Tulio, ciclista de competição, durante uma corrida com tempo ruim e temperatura muito baixa, suas mãos estavam duras e geladas, então ele não conseguiu soltar as porcas da roda traseira de bicicleta para fazer a mudança de relação, invertendo a roda. Naquela época as bicicletas eram equipadas com duas catracas simples no cubo, uma de cada lado da roda e de tamanhos diferentes, obrigando os ciclistas a inverter a roda em determinado ponto do trajeto, de acordo com a topografia.

Blocagem curiosa

Curiosa blocagem com alça removível, ideal para trancar a bike nas ruas sem correr o risco de alguém roubar as rodas.

Blocagem de roda

Graças a essa necessidade, o genial invento foi copiado e incorporado a diversas marcas de componentes, tornando-se referência para separar modelos simples (com porcas) dos modelos mais competitivos (com blocagens).

Hoje, alguns modelos de quadros e suspensões usam blocagens rosqueadas direto nas peças, mas não são finos eixos internos, são eixos de roda com 12, 15 e 20 milímetros de diâmetro, dando mais rigidez e qualidade aos equipamentos, mantendo a praticidade e ausência de ferramentas.

Blocagem moderna

Algumas blocagens utilizam outros sistemas para imobilizar o eixo, sem alavancas curvas que giram 180º.

Blocagem de roda

Quadros e garfos com rosca interna para eixos de grande diâmetro equipados com blocagens.

Quadros e garfos com rosca interna para eixos de grande diâmetro equipados com blocagens.

Como funciona

O princípio do movimento utilizado nas blocagens é o eixo Cames (da engenharia mecânica), que utiliza um disco ou circunferência com eixo excêntrico (eixo fora do centro) ou saliência variável, para que seu movimento cause um deslocamento em linha reta.

Nas partes interna e externa da “alavanca” da blocagem (parte que seguramos para movimentar), existem as inscrições OPEN (aberto) e CLOSE (fechado), para identificar o modo correto de uso.

Com a blocagem desmontada é fácil identificar o eixo Cames (fora de centro), que ao ser girado, provoca o avanço de outra peça do sistema.

Com a blocagem desmontada é fácil identificar o eixo Cames (fora de centro), que ao ser girado, provoca o avanço de outra peça do sistema.

img-Cubo_Blocagem_Desenho

Nas alavancas de blocagem, gravação em relevo orienta o usuário.

Nas alavancas de blocagem, gravação em relevo orienta o usuário.

Erro comum

Quem não reparou nas gravações aberto/fechado na alavanca da blocagem e não tem muita experiência com bicicletas pode cometer o equívoco de usar o sistema como se fosse uma porca comum, rosqueando até ficar apertado, sem fazer o movimento de 180º necessário para travar a peça, dobrando a alavanca. Seja nas rodas ou selim, é bastante comum observar ciclistas, principalmente em parques, utilizando o sistema de forma errada, se colocando em risco por desconhecer o funcionamento da peça. Se topar com exemplos como esses, exercite sua boa ação do dia, orientando o ciclista quanto ao funcionamento correto da peça.

CORRETO - A blocagem está fechada.

CORRETO – A blocagem está fechada.

ERRADO - Ablocagem está aberta, apenas apertada, mas não pressionando o quadro contra a roda.

ERRADO – Ablocagem está aberta, apenas apertada, mas não pressionando o quadro contra a roda.

Bom pedal!

 

<a href="https://pedaleria.com/autor/educapivara/" target="_self">Edu Capivara</a>

Edu Capivara

Edu Capivara é Delegado Internacional do Biketrial no Brasil desde 1991 e introdutor do esporte em meados da década de 80. É amigo pessoal de Pedro Pi, o inventor do Biketrial e de toda a cúpula da BIU (Biketrial International Union) . Profundo conhecedor do mundo da bike, começou suas aventuras em modalidades como o BMX e o Mountain Bike no início desses esportes no Brasil. Já participou de campeonatos mundiais de biketrial pelo mundo todo, inclusive do primeiro, em 1986 na Europa.

Veja mais

Crescendo no ciclismo com saúde

Crescendo no ciclismo com saúde

Muitos ciclistas querem criar uma rotina de treinos visando participar de competições, mas fazer isso sem orientação acaba levado esse ciclista a outro tipo de rotina, vários dias se recuperando das lesões causadas pelos excessos. Seja um ciclista amador, ocasional,...

Porta objetos para bike

Porta objetos para bike

Existem vários tipos de bolsas para quadro, mas também dá pra fazer modelos personalizados Quando repaginamos a Monark Barra Circular,  eu fiz um porta objetos redondo porque combina com o desenho da bike, agora eu quero propor outros modelos, para quadros...

Repaginamos a Monark Barra Circular

A Barra Circular é uma bike clássica, pau pra toda obra mas que merece um upgrade para virar bike conceito No passado, as bicicletas eram modelos únicos, tinha a masculina e a feminina, e eram usadas para tudo, serviam para o transporte, lazer e competição. Com o...

Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Cadastre-se em nossa Newsletter