Rodas de alta performance para XC

Conheça o segredo das rodas de competição para Mountain Bike

A gente já falou que aliviando o peso das rodas há o aumento do desempenho, principalmente nas bikes aro 29, e que o peso rotacional é mais importante que o peso estático, pois ele interfere na retomada de velocidade e manutenção da cadência, e como sugestão de upgrade para sua bike, mostramos 3 opções de rodas para a modalidade Cross Country do MTB, também conhecido por “XC”. As provas de XC são aquelas onde o ciclista enfrenta subidas, descidas e planos, passando por caminhos largos e também estreitos (trilhas), e e vence quem chegar primeiro.

As rodas que vamos avaliar são da Vzan, linha Everest, para Mountain Bike, e elas estão disponíveis para aros 26”, 27,5” e 29”, com modelos para quem está começando a competir e para quem já é profissional.

img-Everest_Carbon_Niples
Raios com espessura variável, niples em alumínio e aros leves e resistentes são alguns atributos das rodas de alta performance.

A roda Everest XC é de entrada, para quem está iniciando no mundo do XC e precisa de uma roda leve, rígida, de fácil manutenção e customização, pois utiliza rolamentos e pode receber eixos com diâmetros maiores como o 12 e o 15mm, e já vem com eixo traseiro com 10mm de diâmetro. Ela suporta atletas de até 110Kg e sua manutenção deve ser feita a cada 1.500Km.

Ela é montada com aros parede dupla 28 furos e raios Aero, aqueles raios achatados mais aerodinâmicos e com niples cromados e blocagem de alumínio com eixo de cromo molibdênio, e vem com a fita interna protetora. O par dessa roda com aro 29” pesa 1.795Kg. Seus opcionais são as ponteiras para cubo dianteiro com eixo 15mm, e cubo traseiro com eixo 12mm.
Se quiser colocar Cassette de 11 velocidades ela é compatível com o Freehub XD e tem opção para cubo dianteiro para suspensão Lefty.

img-Everest_XC_Raios
Raios Aero (perfil achatado) dão visual mais agressivo ao modelo Everest de rodas para competição “de entrada”.
img-Perfil_Everest_XC_e_MGCI
Este é o perfil do aro para os modelos Everest XC e MGCI.

Já a Roda Everest MGCI é uma roda profissional muito leve para quem pratica XC e quer uma roda de alto desempenho. Projetada para atletas de até 90Kg, sua manutenção deve ser feita a cada 150Km pois utilizar tecnologia MGC de pega rápida no freehub, sem folga na retomada da pedalada. Essa manutenção é simples, limpeza e reposição da graxa.

O “i” do MGCI representam as ponteiras intercambiáveis com várias espessura de eixos, 9 ou 15mm na frente e eixos 10 ou 12 na traseira, e já vem tudo isso na caixa com as rodas!

Os cubos, são inteiros em alumínio, corpo, eixos e freehub, e esse freehub tem 3 macaquinhos (martelinhos) com 11 micro-dentes em cada, totalizando 33 engates consecutivos, por isso não tem folga quando a gente volta a pedivela e retoma a pedalada, o que é ótimo nas competições, onde cada segundo conta.

Ela é montada com aros parede dupla 28 furos e raios trefilados de 1.7mm de espessura, com niples de alumínio (os raios normalmente tem 2mm de espessura), só aí já temos alívio de peso significativo.

Acompanham blocagens, fitas protetoras e todas as ponteiras para receber outros eixos, e o peso do par é 1.735Kg para o aro 29” e 1.610Kg para o aro 27,5”.

Essas rodas são compatível com cassetetes Shimano de 8, 9, 10 e 11 velocidades e Sram de 8, 9 e 10 velocidades, e os opcionais são o Freehub XD para 11 velocidades com cog de 10 dentes e cubo dianteiro para suspensão Lefty.

img-Everest_MGCI_Raios
Os conjuntos de rodas MGCI são equipados cor raios trefilados de 1.7mm e niples em alumínio.
img-Freehub_Everest_MGCI
Nesta roda de alta performance, é necessário fazer uma manutenção simples no freehub a cada 150Km, pois ele tem que estar limpo e lubrificado justificando a total ausência de folga na retomada da pedalada.
img-Roda_Everest_MGCI
Cubo traseiro MGCI – todas as peças anodizadas em vermelho.
img-Everest_MGCI_Blocagens
Blocagens, ponteiras para par outros eixos e fita protetora em todos os conjuntos MGCI para aros 27,5″ e 29″.

Roda Everest MGCI Carbon é uma roda profissional com a mesma qualidade e tecnologia da roda anterior, mas essa utiliza aros em fibra de carbono e é Tubless, pode rodar com pneus sem câmaras. Seu aspecto é imponente, é mais encorpado, e atende a atletas de até 90Kg podendo rodar até 1000Km antes de fazer a manutenção.

Ela também utiliza freehub em alumínio, mas este tem 6 macaquinhos e a engrenagem do cubo tem 72 dentes, e por ser MGC, não há folga na retomada da pedalada.

Acompanham as ponteiras intercambiáveis para outros eixos e o kit de adesivos e bicos parafusáveis para a versão Tubless, e vem montada com aros parede dupla em carbono, 28 furos e raios 1.7mm de espessura com niples de alumínio.

Ela utiliza o mesmo tipo de blocagem, alumínio e cromo molibdênio, O peso do par de rodas 1.700Kg  e seu opcional é o Freehub XD para 11 velocidades.

img-Everest_Carbon_Ponteiras
Cada par de rodas já vem com o kit de ponteiras, para dianteira 9 e 15mm, e na traseira 10 e 12mm.
img-Freehub_Everest_Carbon

Freehub MGCI sistema 6×72 – 6 macaquinhos atuando em engrenagem de 72 dentes.

img-Perfil_Everest_Carbon
Este é perfil dos aros de carbono Everest de 29 polegadas.
img-Kit_Tubless
O kit Tubless da Everest Carbon – fitas para vedação da parte interna dos aros e bicos Presta parafusáveis.
img-Cubo_MGCI_da_Carbon
Everest Carbon – cubo traz referência da compatibilidade com eixos de 135 e 142mm de largura e o sistema MGCI de freehub sem folga com mecanismo 6×72.

Estas são algumas das muitas opções de rodas para competição, mas o mais importante é reconhecer seu nível técnico e saber quanto você pode investir em um pra de rodas de de alto desempenho.

Bom Pedal!

<a href="https://pedaleria.com/autor/educapivara/" target="_self">Edu Capivara</a>

Edu Capivara

Edu Capivara é Delegado Internacional do Biketrial no Brasil desde 1991 e introdutor do esporte em meados da década de 80. É amigo pessoal de Pedro Pi, o inventor do Biketrial e de toda a cúpula da BIU (Biketrial International Union) . Profundo conhecedor do mundo da bike, começou suas aventuras em modalidades como o BMX e o Mountain Bike no início desses esportes no Brasil. Já participou de campeonatos mundiais de biketrial pelo mundo todo, inclusive do primeiro, em 1986 na Europa.

Veja mais

Crescendo no ciclismo com saúde

Crescendo no ciclismo com saúde

Muitos ciclistas querem criar uma rotina de treinos visando participar de competições, mas fazer isso sem orientação acaba levado esse ciclista a outro tipo de rotina, vários dias se recuperando das lesões causadas pelos excessos. Seja um ciclista amador, ocasional,...

Porta objetos para bike

Porta objetos para bike

Existem vários tipos de bolsas para quadro, mas também dá pra fazer modelos personalizados Quando repaginamos a Monark Barra Circular,  eu fiz um porta objetos redondo porque combina com o desenho da bike, agora eu quero propor outros modelos, para quadros...

Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Cadastre-se em nossa Newsletter