Tinha um tronco no caminho

Siga na trilha sem medo do tronco

É muito comum encontrar troncos caídos nas trilhas ou nos ambientes do MTB, e muitas vezes você é obrigado a descer da bike para fazer a transposição ou até dar a volta para seguir seu caminho.

Até uma certa altura, (que vai depender da sua técnica ou tamanho da roda da bike) você pode atropelar o danado, mas se for um big tronco ou uma sequoia, é melhor voltar mais tarde e com a Biketrial*!
Se você não tem experiência com esse tipo de manobra, vá com calma, experimentando e testando seus limites gradativamente, e para isso, escolhemos um obstáculo baixo para mostrar 3 técnicas diferentes de transposição.

Primeira Técnica – CONTORNAR

Nessa manobra o ciclista deve puxar a roda dianteira (tirar do chão), apoiando em cima do obstáculo e deixando a bike passar. O choque da roda traseira com o tronco será mínimo, desde que você flexione as perna, deixando a roda subir. Dependendo da altura do obstáculo e o vão livre da bike, a coroa poderá atingir o tronco, mas ela aguenta, a madeira é mais fraca que a coroa.

Nesta passagem o ciclista faz pouca força e velocidade é baixa.
Se errar, a bike entala com uma roda de cada lado.

IMG_MTB_Tronco_01

Para CONTORNAR um tronco, puxe a frente da bike e deixe a roda traseira se chocar com o obstáculo aproveitando o embalo.

Segunda Técnica – BUNNY HOP

Manobra típica do BMX, onde o ciclista com mais experiência executa um movimento de coordenação motora rápida, pois ele levanta a roda da frente da bike e na sequência (com ela no ar) puxa a roda traseira, voando por cima do obstáculo.

Nesta passagem o ciclista faz mais força e a velocidade é alta.
Se errar: É tombo certo. Se puxar pouco e a frente pegar, o ciclista passa voando e a bike fica. Se puxar muito a frente, a traseira chega rápido e se choca com o tronco, a frente desce rápido capotando ciclista e bike.

IMG_MTB_Tronco_02

Para executar o Bunny Hop com confiança, treine por uns tempos o salto sem obstáculos, depois treine aumentando gradativamente a altura a superar, assim você aprende sem se machucar.

Terceira Técnica – ATAQUE COM A RODA TRASEIRA

Manobra típica do Biketrial, onde o ciclista utiliza marcha mais leve, dosando arrancadas e controle do freio traseiro. Será necessário estar familiarizado com as técnicas do Biketrial, com muito controle e coordenação motora entre pedal, freio e jogo de corpo.

Nesta passagem o ciclista faz força média e a velocidade é baixa.
Se errar: Não supera o obstáculo. A roda traseira não atingirá o topo do tronco, voltando, deixando a bike parada com uma roda de cada lado.

IMG_MTB_Tronco_03

Atacar o tronco direto com a roda traseira exigirá domínio das técnicas do Biketrial, com arrancadas de pedal e controle de freio, além do jogo de corpo.

Estas e outras técnicas do Biketrial, BMX e MTB podem ser treinadas e decoradas até virarem uma defesa instintiva do ciclista, que as usa quando a situação exigir. Você também pode aprender comigo na Clínica Pedaleria de MTB e descobrir que é capaz de superar obstáculos que nunca imaginou na vida.

Saiba mais em www.clinicademtb.com.br ou faça a sua inscrição em: http://loja.pedaleria.com/clinica-de-mtb-pedaleria

Bom Pedal!

*Biketrial – Bicicleta especialmente projetada para superar obstáculos naturais ou artificiais, exigindo muita técnica e equilíbrio.

<a href="https://pedaleria.com/autor/educapivara/" target="_self">Edu Capivara</a>

Edu Capivara

Edu Capivara é Delegado Internacional do Biketrial no Brasil desde 1991 e introdutor do esporte em meados da década de 80. É amigo pessoal de Pedro Pi, o inventor do Biketrial e de toda a cúpula da BIU (Biketrial International Union) . Profundo conhecedor do mundo da bike, começou suas aventuras em modalidades como o BMX e o Mountain Bike no início desses esportes no Brasil. Já participou de campeonatos mundiais de biketrial pelo mundo todo, inclusive do primeiro, em 1986 na Europa.

Veja mais

Crescendo no ciclismo com saúde

Crescendo no ciclismo com saúde

Muitos ciclistas querem criar uma rotina de treinos visando participar de competições, mas fazer isso sem orientação acaba levado esse ciclista a outro tipo de rotina, vários dias se recuperando das lesões causadas pelos excessos. Seja um ciclista amador, ocasional,...

Porta objetos para bike

Porta objetos para bike

Existem vários tipos de bolsas para quadro, mas também dá pra fazer modelos personalizados Quando repaginamos a Monark Barra Circular,  eu fiz um porta objetos redondo porque combina com o desenho da bike, agora eu quero propor outros modelos, para quadros...

Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Cadastre-se em nossa Newsletter