Tá pulando marcha? Regule o câmbio traseiro

Fim do mistério. Aprenda a regular o câmbio traseiro da bicicleta. 

Pode parecer difícil ou misteriosa a regularem dos câmbios traseiros, mas entendendo como funciona e com um pouco de paciência você mesmo ajusta o da sua bike.

Depois que inventaram os câmbios indexados (um click = uma mudança), fica muito difícil pedalar uma bike com câmbio desregulado, fazendo aquele barulinho chato, dando a impressão de que vai mudar de marcha a qualquer momento.

Câmbio traseiro

Aqueles pequenos parafusos, que geralmente são para chave Philips, com inscrições “H” e “L” comandam a regulagem do limite de avanço e retrocesso máximos do transportador da corrente (peça com duas roldanas por onde a corrente passa). Cada parafuso desses regula um “batente” para impedir que o câmbio entre na raiação da roda ou que a corrente caia entre as engrenagens (catraca) e o quadro.

Câmbio traseiro

O parafuso com a inscrição H (high) – ALTO, representa o batente das marchas pesadas (pinhões pequenos), ou seja, se estiver bem regulado a corrente não cai entre o quadro e a menor engrenagem.

O parafuso com a inscrição L (low) – BAIXO, representa o batente das marchas leves (pinhões grandes), evitando que o câmbio entre nos raios, causando a quebra dos mesmos, ou quebra da gancheira do câmbio.

Regulando o câmbio traseiro - Parafuso High (H)

A dificuldade de entender o processo de regulagem dos parafusos dos batentes deve-se ao fato deles ficarem muito escondidos.

Regulando o câmbio traseiro - Parafuso LOW (L)

É muito importante manter essas regulagens em dia para que as trocas de marchas sejam precisas e confiáveis. Confira no desenho, a função desses parafusos limitadores e também cada peça do câmbio traseiro.

Ilustração do funcionamento do câmbio traseiro

Este ajuste está baseado no perfeito alinhamento das roldanas (polias) do transportador da corrente, com os pinhões (engrenagens da catraca ou cassete). Para facilitar, solte o cabo de câmbio e movimente manualmente a passagem de marcha empurrando o câmbio pela ponte de ligação (peça central do câmbio, onde vai a marca do fabricante). O mais importante é verificar se há alinhamento entre a polia de cima e os pinhões (primeiro e último). Se não houver alinhamento, ajuste os parafusos (H) e (L) mantendo o câmbio nas respectivas posições até concluir as voltas nos parafusos.

Ajustando o câmbio traseiro

Recoloque o cabo do câmbio, ajustando a tensão pelo esticador de cabo. O cabo deve estar na tensão exata, se estiver frouxo, não puxa o cabo na medida certa, não fazendo a troca da marcha, se estiver esticado demais, muda uma marcha e meia. Nos dois casos o barulhinho chato volta a atacar.

Cambio traseiro XT High

Em alguns modelos de câmbio é possível ver claramente os batentes e seu funcionamento, como nesta foto.

Câmbio traseiro XT Low

Se você ajustou corretamente os parafusos dos batentes e seu câmbio ainda está fazendo barulho ou apresentando alguma anomalia, a gancharia de câmbio (peça do quadro na qual é fixado o câmbio) pode estar desalinhada. O próprio câmbio pede estar torto, e nesses casos é sempre melhor recorrer a uma oficina de confiança para fazer todos os ajustes ou substituir alguma peças, e o alinhamento da gancheira requer ferramenta especial.

Bom pedal!

<a href="https://pedaleria.com/autor/educapivara/" target="_self">Edu Capivara</a>

Edu Capivara

Edu Capivara é Delegado Internacional do Biketrial no Brasil desde 1991 e introdutor do esporte em meados da década de 80. É amigo pessoal de Pedro Pi, o inventor do Biketrial e de toda a cúpula da BIU (Biketrial International Union) . Profundo conhecedor do mundo da bike, começou suas aventuras em modalidades como o BMX e o Mountain Bike no início desses esportes no Brasil. Já participou de campeonatos mundiais de biketrial pelo mundo todo, inclusive do primeiro, em 1986 na Europa.

Veja mais

Crescendo no ciclismo com saúde

Crescendo no ciclismo com saúde

Muitos ciclistas querem criar uma rotina de treinos visando participar de competições, mas fazer isso sem orientação acaba levado esse ciclista a outro tipo de rotina, vários dias se recuperando das lesões causadas pelos excessos. Seja um ciclista amador, ocasional,...

Porta objetos para bike

Porta objetos para bike

Existem vários tipos de bolsas para quadro, mas também dá pra fazer modelos personalizados Quando repaginamos a Monark Barra Circular,  eu fiz um porta objetos redondo porque combina com o desenho da bike, agora eu quero propor outros modelos, para quadros...

Repaginamos a Monark Barra Circular

A Barra Circular é uma bike clássica, pau pra toda obra mas que merece um upgrade para virar bike conceito No passado, as bicicletas eram modelos únicos, tinha a masculina e a feminina, e eram usadas para tudo, serviam para o transporte, lazer e competição. Com o...

Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Cadastre-se em nossa Newsletter